Opinião TBK: Cibersegurança é um direito e um dever de todos

Gabriela Santana, presidente da Tecnobank, fala sobre os recursos e os esforços empregados para garantir a robustez tecnológica necessária para a segurança cibernética da empresa

Opinião TBK: Cibersegurança é um direito e um dever de todos

Prestes a completar 15 anos, a Tecnobank vem, ao longo desse tempo, consolidando o seu compromisso com a privacidade e a proteção de dados, investindo recursos e esforços para garantir a robustez da nossa infraestrutura tecnológica e aprimorar a qualidade da segurança da informação.Até porque, à medida que o uso de ferramentas digitais aumenta, cresce também a quantidade de dados criados e, consequentemente, as ameaças cibernéticas. O Banco Mundial estima que, em 2022, o tráfego total anual da internet aumentará cerca de 50% em comparação aos níveis de 2020 – uma soma que pode atingir 4,8 zettabytes. Para se ter uma ideia, a escala de armazenamento de dados é:Byte > Quilobyte > Megabyte > Gigabyte > Terabyte > Petabyte > Exabyte > ZettabyteDeu para entender a dimensão desse “tsunami de informações”? Pois é... Desde o início da pandemia, pudemos acompanhar a criticidade de diversas violações de infraestrutura no mercado de tecnologia, o que reforça como a segurança cibernética de uma empresa pode ter um efeito cascata em muitas outras, impactando de clientes diretos a consumidores finais. Considerando os desafios dessa “era Zettabyte”, o Centro de Segurança Cibernética do Fórum Econômico Mundial publicou um estudo com previsões e algumas preocupações relacionadas ao universo corporativo, um dos principais alvos de cibercriminosos. E graças à visão inovadora e à operacionalização estratégica da Tecnobank, acredito que estamos no rumo certo. Explico o porquê: 1) Aqui na TBK, priorizamos análises de incidências de cibersegurança nas decisões de negócio, integrando nossa resiliência cibernética às estratégias de gerenciamento de riscos corporativos;2) Apoiamos a liderança da área de Privacidade e Segurança da Informação, sempre consultando e ressignificando nossas tomadas de decisão com base na identificação e na mitigação de riscos, traçando, assim, caminhos mais seguros e assertivos; 3) Realizamos recrutamento e retenção de talentos de segurança cibernética por meio de um ambiente atrativo, além de investir constantemente na conscientização dos colaboradores sobre temas relacionados à privacidade e segurança da informação, tanto no âmbito profissional como no pessoal. E nesse cenário, a Tecnobank conta com uma equipe competente, que segue construindo (e evoluindo!) essa cultura de cibersegurança. Por isso, reforço a disponibilidade do nosso Canal de Ética para a abertura de chamados em caso de incidentes ou identificação de riscos relacionados à privacidade, proteção de dados e segurança da informação. Dessa forma, as áreas competentes poderão realizar as análises e os procedimentos necessários para garantir que sigamos integrando confiabilidade, segurança e transparência, do jeito que o mercado espera e precisa. Afinal, segurança é papo sério! E cibersegurança é um direito e um dever de todes.