Compliance não é só para grandes empresas: como aplicar em pequenos negócios

31/07/2020 17:55 - Atualizado às 14:20

Compliance não é só para grandes empresas: como aplicar em pequenos negócios

Certamente, o nosso país impõe muitos desafios para as pequenas e médias empresas (PMEs), como burocracia excessiva, legislações complexas nas áreas tributária e trabalhista, informalidade em muitos mercados, etc. Somado a isso, há sempre certa turbulência nas questões políticas e econômicas que geram incertezas sobre investimentos e afins. Mesmo assim, o papel de destaque que essas empresas desempenham no cenário socioeconômico nacional é incontestável.

A propósito, não podemos perder de vista que programas de Compliance são recomendados tanto para grandes, quanto para as médias e pequenas empresas. Integridade independe do tamanho da empresa e do ramo de atuação. Em reforço a tal afirmação, os donos de pequenos negócios têm observado que a adoção de programas de ética e integridade está deixando de ser uma simples questão de construção da imagem da empresa para se tornar uma pré-condição para conquista de mercados. 

Na mesma linha, dentro de uma lógica de responsabilidade solidária, as grandes empresas também estão começando a demandar, em maior ou menor grau, adesão dos seus fornecedores a programas de Compliance, definindo, em contrato, o compromisso com o código de conduta do contratante e sua postura anticorrupção. Vale também lembrar que, em parceria com o Sebrae, a Controladoria Geral da União (CGU) criou uma cartilha de integridade para pequenos negócios, um programa que reúne um conjunto de atitudes e medidas para orientar a atuação de funcionários e dirigentes para sanar a ocorrência de atos ilícitos.

Em minha trajetória profissional também tive o privilégio de implantar programas de Compliance em PMEs e pude constatar que as micro e pequenas empresas enfrentam diferentes desafios frente ao Compliance, considerando que essas empresas têm características peculiares de governança, como a concentração das decisões na mão de poucos administradores ou de uma única família.

Assim, um programa de integridade deve sempre atender às necessidades específicas da empresa. E por que isso é importante? É simples: as empresas estão sujeitas a riscos diferentes. A quantidade de funcionários, a área de atuação, os parceiros de negócios, a região em que está localizada, a participação em licitações, o número de contratos celebrados com a administração pública, entre outros. Tudo isso contribui para que cada empresa tenha riscos próprios, que são só dela.

Tudo isso faz com que o Compliance impulsione a empresa para a profissionalização, dando-lhe maiores condições para o crescimento, melhoria na gestão e na sucessão de empresas familiares, etc. Uma boa dica para que o programa seja implementado de forma eficiente é observar os parâmetros de integridade das micro e pequenas empresas, estabelecidos pela Lei Anticorrupção:

1. Comprometimento da direção da empresa;
2. Adoção e implementação de padrões de conduta, código de ética, políticas e procedimentos; 
3. Treinamentos e divulgação do programa de integridade; 
4. Registros contábeis confiáveis; 
5. Controles internos que assegurem a elaboração e a confiabilidade de relatórios e demonstrações financeiras; 
6. Procedimentos para prevenção de fraudes e irregularidades em licitações, na execução de contratos administrativos ou em qualquer interação com o setor público;
7. Medidas disciplinares;
8. Procedimentos que assegurem a pronta interrupção de irregularidades e correção de danos.

De fato, uma empresa correta e que possua medidas de integridade terá um importante diferencial. Portanto, se o seu negócio adota essa postura íntegra, com certeza estará à frente de outras empresas que não dão importância a isso. Esse conhecimento favorece a inovação, otimiza a aplicação de recursos financeiros, amplia os resultados da companhia e facilita a seleção e a manutenção de funcionários com os mesmos valores de integridade aplicados na organização. O movimento de inclusão das PMEs no ambiente de Compliance é um grande avanço para o Brasil e, com o tempo, virão os muitos benefícios para o seu negócio.

* André Chehadi é Chief Compliance Officer (CCO) da Tecnobank.